ENEM/ UFPA

ENEM/ UFPA
CLIQUE NO LOGO DA UFPA

terça-feira, 28 de abril de 2009

ESCRAVA ISAURA - UEPA FASE II






















































"O coração é livre; ninguém pode escravizá-lo, nem o próprio dono."




Fada? Anjo? Deusa? Escrava.



Situando a história "nos primeiros anos do reinado de D. Pedro II" e tomando como assunto o drama de uma escrava aparentemente branca, educada e bela, Bernardo Guimarães pretendeu mostrar ao público da época, 1875, os "abomináveis e hediondos" crimes da escravidão e o aviltamento da pessoa humana pela distinção de classe.



Embora trate do grave problema social e humano, a escravidão negra no Brasil, o tema fundamental do romance é o amor, melhor dizendo, os sofrimentos do amor. Amor da infeliz escrava impedida de amar livremente a quem escolhesse; amor egoísta do seu senhor, incapaz de admitir que, sendo dono da escrava, não era, necessariamente, o dono do seu coração.



No primeiro capítulo o narrador se ocupa em apresentar-nos a heroína. Os versos da triste canção que a moça entoa, acompanhando-se ao piano, reproduzem o seu sofrimento:



"Desd'o berço respirandoOs ares da escravidão,Como semente lançadaEm terra de maldição,...................................Os meus braços estão presos,A ninguém posso abraçar,Nem meus lábios, nem meus olhosNão podem de amor falar;"





Antes mesmo de apreciarmos a figura da escrava, somos levados a sentir o seu drama. Logo a seguir o narrador nos conduz até a sala de recepção da luxuosa fazenda a que pertence Isaura. As linhas puras e suaves do perfil da escrava, a beleza dos seus cabelos que "despenham caracolando pelos ombros em espessos e luzidios rolos", contrastam com a sua condição de cativa. São, como diz a escrava, "trastes de luxo colocados na senzala do africano".



No capítulo II aparece Leôncio, o senhor de Isaura. A minuciosa descrição do seu passado visa a configurar o caráter do personagem: quando criança, "mau aluno e criança incorrigível, turbulento e insubordinado"; adolescente, sangra "desapiedadamente a bolsa paterna" com suas aventuras até que encontra no casamento com a linda e encantadora Malvina "um meio mais suave e natural de adquirir fortuna".



Leviano, devasso e insensível, Leôncio saíra ao pai, homem de "coração árido e frio" que, atraído pelos encantos da escrava Juliana, mãe de Isaura, e sendo por ela repelido, sujeitou-a a "tão rudes trabalhos e tão cruel tratamento", que em breve a pobre morreu. Isaura repete, no presente, o drama de sua infeliz mãe.
No capítulo X aparecerá outro personagem importante ao enredo. Álvaro é o rico herdeiro de uma "distinta e opulenta" família, abolicionista exaltado e, como acentua o narrador, "tinha ódio a todos os privilégios e distinções sociais".




Conhece Isaura, agora Elvira para escapar às perseguições de Leôncio, e apaixona-se por ela. Quando, tragicamente, Isaura é reconhecida no baile da mais fina sociedade recifense como a escrava fugida da fazenda do Sr. Leôncio Gomes da Fonseca, Álvaro não a abandona e jura livrá-la do seu vil senhor e do estigma do cativeiro.



Forma-se a tríade comum aos romances populares românticos: vilão, heroína, herói.



Sem escapar ao convencionalismo romântico e associando aos traços fisionômicos do personagem a sua conduta social, fácil será antever o final do romance. O bem sobrepondo-se ao mal conduzirá fatalmente a história ao fim que se espera: a união de Isaura e Álvaro. Está claro que o obstáculo maior a ser vencido pelo "herói" está no fato de Isaura ser escrava e legítima propriedade de Leôncio. Nem isso impede Álvaro de lutar. Parte para a corte à procura de Isaura, descobre a falência de Leôncio, compra-lhe todos os bens, inclusive os escravos, e desmascara o "vilão". Nada mais o separa de Isaura, a quem oferece a mão de esposo, desafiando todos os preconceitos da sociedade escravocrata de então.



Dada a ausência de profundidade com que são tratados, os personagens do romance são planos, estáticos, permanecendo com as mesmas virtudes e defeitos ao longo de toda a narrativa. São "sempre iguais a si próprios e jamais reservando surpresas ao leitor por suas características especificas, mas tão-somente por sua ação".



Isaura é, do principio ao fim, a escrava submissa que sabe reconhecer o seu lugar. Suporta resignada e dócil a perseguição de Leôncio, as propostas de Henrique, as desconfianças de Malvina, sem se rebelar, sem jamais deixar de ser emocionalmente escrava, mesmo tendo sido educada como não o foram "muitas ricas e ilustres damas da sociedade":



"... procurava ser humilde como qualquer outra escrava, porque a despeito de sua rara beleza e dos dotes de seu espírito, os fumos da vaidade não lhe intumesciam o coração, nem turvavam-lhe a luz de seu natural bom senso".
Na senzala, em meio à escravaria, "sem se mostrar contrariada nem humilhada com a nova ocupação que lhe davam", suporta passivamente as provocações da escrava Rosa, ferida com o desdém de Leôncio que a preterira por Isaura.
No Recife, amada por Álvaro, tem escrúpulos de passar por branca livre, traindo a confiança do seu amado:



"- Como posso eu, sem cometer a mais vil deslealdade, aparecer apresentada por ele como uma senhora livre em uma sala de baile?..."
E ainda, ao ser obrigada a se casar com o hediondo Belchior, resigna-se diante da imposição de seus senhores:



"Já que assim o quer, sujeito-me humildemente ao meu destino".



Também nos demais personagens o retrato fisionômico corresponde quase inteiramente à sua conduta social. Como já foi dito, os personagens não surpreendem o leitor em momento algum. Suas atitudes estão implícitas no retrato que o autor traça delas.



Quando afirma que Leôncio volta da Europa com "o cérebro vazio, com a alma corrompida e o coração estragado por hábitos de devassidão e libertinagem" já nos insinua o seu comportamento com relação a Isaura e Malvina, sua esposa.
Ao descrever Álvaro, ressalta sua "alma original cheia de grandes e generosas aspirações". Nobreza de caráter e coragem para lutar contra os valores da sociedade a que pertence serão sempre a tônica do seu comportamento.
Nos personagens secundários o processo não se altera.



Miguel, pai de Isaura, é o feitor que foge ao conceito geral. Longe de ser "o mais detestado entre os escravos", é o amparo da infeliz Juliana e o pai extremoso de Isaura, por quem luta até o fim.



E no vil Martinho a identidade traços fisionômicos-caráter procura ser perfeita: cabeça grande, cara larga, feições grosseiras que revelam um espírito lerdo e acanhado. E "o que mais o caracteriza é certo espírito de cobiça e de sórdida ganância, que lhe transpira em todas as palavras, em todos os atos, e principalmente no fundo de seus olhos pardos e pequeninos, onde reluz constantemente um raio de velhacaria".



Símbolo da estupidez submissa é Belchior, "mostrengo afetando formas humanas, cabeludo como um urso e feio como um mono".



E há ainda o Dr. Geraldo, amigo de Álvaro, advogado conceituado, espírito "prático e positivo como deve ser um consumado jurisconsulto, prestando o maior respeito às insinuações e mesmo a todos os preconceitos e caprichos da sociedade". Procura equilibrar em Álvaro as concepções humanas, mas irreais, às vezes, em relação ao ambiente em que vivem.



Quando Álvaro, inconformado com a situação de Isaura, afirma ser a escravidão "uma indignidade, uma úlcera hedionda na face da nação, que a tolera e protege" e se dispõe a unir-se a Isaura, mesmo sabendo ser uma afronta à sociedade, Geraldo lhe responde com lucidez:



"- És rico, Álvaro, e a riqueza te dá bastante independência, para poderes satisfazer os teus sonhos filantrópicos e os caprichos de tua imaginação romanesca."



Verdade que, consideremos, não se restringe apenas à sociedade escravocrata do século XIX.



As concessões feitas aos preconceitos da sociedade da época não invalidam a posição antiescravagista do autor.



Fica claro no romance que Isaura é escrava apenas quanto ao seu comportamento submisso e indisposto a lutas e reivindicações. Fisicamente em nada difere das damas da sociedade da época. Mas é escrava e tem de viver como os de sua classe: objeto útil nas mãos dos seus senhores. A sociedade brasileira que, no século XIX, tanto se condoeu das desventuras de Isaura, aceitou-a porque ela era branca e educada. Sendo branca e nada havendo nela que "denunciasse a abjeção do escravo" pôde demonstrar com seu sofrimento o quanto "é vã e ridícula toda a distinção que provém do nascimento e da riqueza".












( texto de Maria Nazareth Soares Fonseca - crítica literária )


8 comentários:

  1. Professor os vídeos estão legais, o bom dessa obra é que tem muito material de todos os tipos... esse seu texto aí estar ótimo... valew pela força!!!

    ResponderExcluir
  2. adorei os videos adorei tudoo...vlw vlw vlw Gil...

    ResponderExcluir
  3. seu blog esta demais!!!o material ta tudo de bom ,obrigada por se preocupar conosco!!

    ResponderExcluir
  4. os videos me ajudaram muito a compreender esse romance!!
    abraço aluno do cursinho tarde
    MAC

    ResponderExcluir
  5. professor! muito obrigada por disponibilizar estes conteúdos e vídios,isso está me ajudando bastante!
    waleu prof! =)
    aluna méson

    ResponderExcluir
  6. Aê, professor, o argumento está bem explicado e claro, além de possuir linguagem não tão complexa, facilitando a compreensão de todos...!
    Obtigado por preocupar-se com o nosso aprendizado...! Esse é o papel do verdadeiro professor!!!Até mais.
    by: Colégio C.E.I.

    ResponderExcluir
  7. ei prof muito legal o seu glog verdade

    ResponderExcluir

ACHE O QUE VOCÊ PRECISA AQUI NO BLOG

QUE TAL SER MEMBRO DO BLOG?

COLOQUE SEU E-MAIL E SAIBA DAS ATUALIZAÇÕES DO BLOG